segunda-feira, 5 de setembro de 2016

VIDA SEM AMOR




A areia que corrói os passos
da infeliz que sonhara
alcançar belos dias em que descalça
cruzara lagos e relvas
encharcada de alegrias e melodias afinadas.


Sujos sentem nesta hora
o enrijecer da pele encrespada
pelo sangue que mistura-se aos
quentes grãos que retardam qualquer chegada.


Águas olhadas nem servem como frescor
pois que o sal nelas contido
só fazem aumentar qualquer indício de dor.


Nem pode sentar-se ao caminho
pois que o calor avisaria
aos corvos que logo jazerás
uma carniça para seu ninho.


Segue, então,
em pleno ritual,
à espera de que a Lua
a transporte finalmente dali
levando-a à sua cova imortal.


Poema de Della Coelho
Imagem: google.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário