terça-feira, 20 de setembro de 2016

REQUIEM



O silêncio consome o véu calado
em sintonia sublime ao Universo,
lânguido êxtase fúnebre de um verso
cravado em sol e a Deus santificado.

Sangrando o pranto em notas torturado,
transtorna a viúva de um converso;
extraindo a dor ferina do anverso,
na encovada mãe do réu inchado.

Almas celestes clamam à agonia
de um terno ardor em sinfonia
in excelsis agudos de lamento.

O troar é condenável heresia,
merecida é a voz da afasia
neste eternizar do sofrimento.

Poema de Della Coelho

Vídeo com a música e o poema:
https://www.youtube.com/watch?v=2ArGc5jckjs


Nenhum comentário:

Postar um comentário