segunda-feira, 31 de março de 2014

Lágrimas...


21:17h 26/01/09  .

TE AMO SEMPRE MAIS E MAIS

Ah, meu Amor!
Que solidão me abate agora!
Por que tenho de querer tanto
estar ao lado teu
em todas as horas?

Deve ser esta loucura
de tanto amar-te
que sem dúvida
me transtorna!

Infelicidade esta minha
em ter de guardar assim comigo
tanto carinho e carícias
quando tudo que precisas
é  aceitares minhas delícias!

Deliro na vida que terias
pois que jamais de amar-te cansaria
e a ti sorrindo ofertaria
a Felicidade de todos os meus dias.

Correria, quando cansado,
a embalar-te em sonhos
despertando-o com o mais doce afago.

Enfeitaria tuas estradas
enchendo-as de perfumes,
sabores deliciosos
e bebidas encantadas.

Sairíamos sem hora
nenhuma ser marcada...
apenas desfrutando a alegria
de a Lua ser nossa eterna enamorada.

E ao Mar chegar
em teu olhar me perderia
para em teus braços me encontrar
sabendo que tu`Alma,
ali mesmo, nesta hora irá me amar.

Sob as estrelas...
Abraçadinhos...
inebriados sonharíamos.

Já em Luar adormecido,
em Felicidade sem fim,
voltaríamos à nossa santa morada
finalizando assim
a mais feliz de todas as jornadas.



PRECE DE AMOR 28-01-10

Viver a angústia da incerteza

pode combustível ser

para suportar dores e fraquezas,

se soubermos sozinhos

não estarmos no caminho.



No entanto, se a dúvida

que se tem

é de ao teu lado

não ter ninguém;

então, o desespero faz-se

espinho causando um grave torvelinho.



Se o deserto a enfrentar

for jornada de Amor,

quanto mais profundo

mais forte seu penar

se não tiveres a certeza

de um oásis a te esperar.



A angústia chega a ser de morte

quando não se sabe

se o amado brinca contigo

ou se a ama mesmo sem um norte.



A agonia de chegar a um momento

em que mais nada posso eu fazer

faz-me fazer esta prece

ao meu idolatrado ser...



Pai, que de tudo sabeis

Atendei-me neste impasse!

Se realmente este é um Grande Amor abençoado,

dá-me a certeza de um dia ainda tê-lo Infinitamente sem fim

Ou se isso for engano de meu ser perturbado,

tirai-o definitivamente de mim.



EU

Quão tola pode a Amada ser
Quando acredita
Em trovas cantadas
Por espertos sedutores
Que gostam de
Sentirem-se cantigas adoradas.

A Donzela, em uma Alma crer,
Entrega-se levada
Pela ilusão de ornamentadas
Palavras ditas por condutores
Que brincam de
Acreditar em histórias inventadas.

Por sorte, a moça a ler
Tolices que engana,
Por  um momento iluminadas,
Reconhece Poetas produtores
Que necessitam de
Ingênuas leitoras abestalhadas.

Amar...Amar...e Amar.

Pai,
Ouvistes minha prece?
Por que então não o tirais de mim?
Tanto a fazer!
Tanto a estudar!
O amado mesmo já ousou
a  avisar-me  de que irá
de mim se afastar!

Que resta-me agora a querer?
Resta-me confiar-Vos
a fazer-me arrefecer!

Passo os dias
a lembrar de esquecer...
Minha pena?!
 Aposentei-a já
na Esperança de sem ela
poder a imagem dele
de mim se ausentar.

Ah, que dilema!
Tanto amor ter de matar!
Mas, se não o fizer,
ele a mim
com certeza,
quando deixar-me, o fará.

Pai,
Para que insistis
em permitir eu  assim amá-lo?
Se eu já sei a solidão
que me resta sem jamais encontrá-lo.

A Vós tento elevar ainda  uma vez
 um esquecer em prece;
mas, quando tua voz de Amor Infinito eu embalo,
compreendo meu Destino de dor
e obediente me calo.


Tentando estudar domingo 31/01/2010  10:13



Destino Incerto 02/02/10


O Amor fere espaços
que a Razão constrói
em meio a pessoais fracassos;
mas nem sempre esta é a arma certa,
pois que aos sonhadores ela sem dúvida os enterra.

Mas que  fazer ou dizer ao já desesperado
que perdeu seu Ardor em um reino
só por ele encantado?

Dizer de nada adianta!
Bom mesmo é acreditar
que ainda são possíveis belas mudanças
desde que haja Amor Verdadeiro
sempre em pujança.

Se ilusão esta for acreditada
a vida mostrará
que a verdade será iluminada.
No entanto quem pode saber o que será afinal,
se com Amor Verdadeiro
tudo pode ser belo e feliz no final?!




O Amor em saudades

Saudades sinto eu
de tantos sonhos despertos
que a Razão aquiesceu.

Saudades sinto eu
das canções de outrora cantadas
em notas de cristais para sempre guardadas.

Saudades sinto eu
dos abraços aquecidos
entre tantos e tantos beijos divertidos.

Saudades sinto eu
de olhar as Estrelas
e radiante a brilhar, feliz, eu consiga vê-las.

Saudades sinto eu
da face em lágrimas celada
ao ouvir em êxtase a inesquecível doce voz amada.

Saudades sinto eu
do cheiro de Amor a pairar
naquela saudosa antiga estrada a caminhar.

Saudades sinto eu
de sentir o  olhar de calor
ruborizando minha face afogueada em ardor.

Saudades sinto eu
de “Meu Amor” ouvi-lo me chamar
em resposta de um olhar distraído a desviar.

Saudades sinto eu
da fidelidade eterna prometida,
mas que o tempo a fez nele como uma sombra esquecida.

Saudades sinto eu
quando no Amor Eterno eu acreditava,
mas que a Eternidade mesmo só em meu coração se faz enraizada.

10/02/2010 prestes a ir ao retiro de carnaval...muito devota a Jesus, trabalhando muito.



JORNADA EM AMOR (16-02-10 retiro de carnaval manhã- Odilon)

O que fazer quando sua metade
vê o Luar escurecer?

Daqui distante, como fazê-lo enxergar em memória
... que o Sol só nasce
para aquecê-lo e conduzi-lo até a Grande Vitória?!

... que o frescor noturno apagado
é a mostra de que o que sente
é o transpirar da jornada rumo ao Reino Encantado?!

... de que as pedras encontradas
é a escalada mais íngreme
por estar quase às portas
de sua ilha sonhada?!

... de que as dores sentidas
são marcas que levaremos
como lembrança
da imensa luta vencida?!

... de que, mesmo em escuridão total,
sigo silenciosamente seus passos
amando-o de forma completamente incondicional?!

...  de que logo atrás estou eu
e, se meu amado cair,
leva-me consigo para amortecer
sua queda através dos braços meus?!

O silêncio da espera em cela
é ainda um AMAR muito mais árduo
que qualquer sentimento
proclamado por reais sentinelas.

E este Amor calado
jamais será...
Nem pelo tempo
Nem pelas intempéries
... de alguma forma abalado.

A estrada é nublada , enregelada, estreita...
requer coragem, fé e muita destreza –
Armas poderosas capazes SIM de derrubar
todas e quaisquer barreiras.

É natural, no entanto,
em quase chegada,
o desfalecimento.
Mas, neste momento, no qual tudo parece perdido,
vem aquele que é o orientador do caminho
- O AMOR-
que nos aninha
e nos faz sempre retornar ao nosso Destino!


VIDA SEM AMOR  ( 27-02-10   sábado muito triste)

A areia que corrói os passos

da infeliz que sonhara

alcançar belos dias em que descalça

cruzara lagos e relvas

encharcada de alegrias e melodias afinadas.



Sujos sentem nesta hora

o enrijecer da pele encrespada

pelo sangue que mistura-se aos

quentes grãos que retardam qualquer chegada.



Águas olhadas nem servem como frescor

pois que o sal nelas contido

só fazem aumentar qualquer indício de dor.



Nem pode sentar-se ao caminho

pois que o calor avisaria

aos corvos que logo jazerás

uma carniça para seu ninho.



Segue, então,

em pleno ritual,

à espera de que a Lua

a transporte finalmente dali

levando-a à sua cova imortal.



Poema de Della Coelho




Nenhum comentário:

Postar um comentário