domingo, 2 de março de 2014

EU SOU...




Sou alguém e não sou nada
Sou talvez o reflexo da Bela Crucificada
Sou um prato sem feijão
Sou aquela que vive em sagrada solidão.

Sou aquela que nem marcas no tempo deixei
Sou a esquecida dos olhos que amei
Sou mesmo a visão que ninguém sonhou
Sou a que veio ao mundo encontrar alguém que nunca sequer me procurou.

Sou aquela que a música embalou
Sou a nota que em fé no Amor acreditou
Sou a batalha que a luta se fez vencida
Sou a mulher pelo  inimigo destruída.

Sou a rosa pelos espinhos isolada
Sou a mente romântica irrealizada
Sou a forma mais cruel do cândido prazer
Sou a que nunca mais amará em nenhum amanhecer

Sou a aberração de uma paixão
Sou a que ouvia as mentiras do próprio coração
Sou aquela que pena tem os serviçais
Sou o perfume preso nos próprios roseirais.


Poema e vídeo de Della Coelho
Imagens: google.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário