segunda-feira, 31 de março de 2014

ALMA TEMEROSA

A time for us
Someday there'll be
A new world
A world of shining hope for you and me
For you and me
(Larry Kuisik / Eddie Snyder / Nino Rota) 


- Céus, que desespero é esse que consome teu leito?
  Que domina teus espaços...
- Comanda as Flores que a ele falo!
- ...Tritura sem compaixão este já cansado ancião.
  Gritar silenciosamente na semiescuridão
  ainda agarrada a frágeis cordas
  que da sombria imensidão
  salvam Almas Temerosas.
  Se forças tivesse, fugir-se-ia
  só para não ver novamente
  a fria ausência já em desespero pressentida.
- Mas...para onde eu iria...
  se carrego-o comigo em minha fronte
  eternamente...noites e dias?!
- Precisa agora te acalmar e deve o desespero
  nesta hora confrontar.
- Penso e sinto que jamais irei entender
  como pode ele em mim tanto poder exercer!
- Em outras eras já erraste em te calar.
- Mas deixar agora minhas misérias
  e fraquezas aparecer?
 Espantarei-o, com certeza, mais uma vez!
- Máscaras só dor trouxeram a amantes sinceros!
- Achas, então, que meu penar
a Meu Eterno Amor devo expressar?
-É justo e necessário que ele te conheça de uma vez.
- E se minha crua face
 o espantar de vez?!
- É porque estiveste enganada quanto ao Amor dele
mais uma vez!
- Mas...
- Te acalma... vejo em ti que o passado voltou a te afligir.
-Sim! Choro um fim
que se repete novamente em mim!
- Deve ser a dor passada
 que o desespero aumenta mais.
- Em uma vez, fugi cegamente
 e de uma só vez!
- Nesta hora, busca coragem
  e permaneça-te em sobridez.
- Sim... em uma sombra
 irei agora me deitar.
- Leva contigo um livro
  que desviará teu pensar.
- Não adianta que palavras quaisquer
 fazem de Meu Amor recordar seus cordéis.
- Deixa então uma canção te embalar.
- Nada... todas as melodias cantam
 as Flores de nosso eterno sonhar.
- Tenta então a natureza te enfeitiçar.
- Impossível! Desde o Mar, a Brisa, a Chuva, as Ramas, os Ventos,
as Árvores, as Estrelas, o Sol, a Lua e até as Borboletas
são personagens presentes em nosso abraçar!
... Por que, nesta minha cruel agonia, sorris?
- Porque vejo que temes mesmo um bobo afligir.
- Te explica enfim. Talvez saiba
como do cume mais alto vim parar aqui!
- Um desespero adormecido, sufocado, escondido ressurgiu.
- Fênix que à minh'Alma descoloriu!
- Aniquila-o agora e de uma vez!
- Como fazer isso sozinha? 
Eu- vítima de um infinito Amor cortês?
-Teu Amor é Verdadeiro e Real!
Só ele pode estancar a fonte de todo mal!
- Compreendi enfim! Sinto-me, pelo Amor,
agora forte! Sei que desta vez irei conseguir!
- Assim! Fala-te como Guerreira e Escudeira
de um novo elixir!
- Extermino a Insegurança,
esta semente infernal!
- Teu Amor é tão grande que a ti
basta sentir-te brisa especial!
- Silencia agora! Eis que ele chega,
já o ouço à porta!
-Servirás a ele agora
aquele prato especial?
- Tentei, mas tudo que faço sai mal.
- Ele há de perceber algo especial.
- Te esconda que ele vem!
- Olá, meu bem!
-Olá, tenho esperado tanto teu falar!
- Sei! Nossas vidas é um cansado sonhar!
-Ficarás agora, nesta hora, comigo aqui?
- Sim, mas logo tenho de ir.
-Serve-o agora!
- Cala-te! Ainda não chegou a hora!
- Conta-me o que encontraste... com quem cruzaste...
- Pedras e Espinhos encontrei eu,
mas o perfume de algumas Rosas floresceu.
- São elas assim como estas,
nesta mesa, perfumadas?
-- Está passando a hora... fala agora !
- Que sons são esses?
- Nada! Zumbidos destes mosquetes!
-Ah, sim! São perfumadas e belas!
- As Rosas e as Donzelas?
- Deixaste o tempo passar!
Agora é tarde para aniquilar!
- Meu tempo passou... preciso ir!
- Por que sorris assim?
- Elas esperam agora por mim.
-Olha os quitutes... estão aqui !!!
- É tarde! Não te avisei?!!
- Meu bem, preciso ir!
- Ainda é cedo, fiz uns versos para ti !
- Agora não adianta mais chorar!
Foi teu Amor para Sempre e...mas...
que tropel é este?!! Quem é que vem lá?!!...
- Pronto! Já voltei!
Plantei as belas rosas que para ti semeei!
São belas e perfumadas
para assim encantar minha amada!
Voltei logo, meio sujo aqui estou...
voltei correndo para ouvir os versos
do meu Único e Eterno Amor!

Texto dramático de DELLA COELHO


Nenhum comentário:

Postar um comentário